Tecnicos

Episódio nojento no Brasil: um DT deu uma cabeçada em um juiz de linha e o clube o demitiu

No final do primeiro tempo, Rafael Soriano entrou em campo, repreendeu os árbitros e acertou Marcielly Netto antes de ser expulso

Momento mundial da vergonha no Brasil
Momento mundial da vergonha no Brasil

O clube Deportivo Ferroviaria anunciou a rescisão do contrato de seu técnico, Rafael Soriano, por dar uma cabeçada em um juiz de linha em uma partida pelo campeonato regional do Espírito Santo. A entidade informou em comunicado que, "antes do ocorrido, o treinador foi dispensado do clube" e que "repudia todo e qualquer tipo de violência, seja física, verbal, moral ou emocional, principalmente contra as mulheres".

Mais notícias sobre futebol Brasileiro:

A jogada de Carlos Vinicius que poderá fazer Palmeiras pagar ainda mais por sua contratação

"Nos solidarizamos com a árbitra assistente Marcielly Netto e nos colocamos à disposição para o que for necessário", acrescentou o clube na nota.

O juiz de linha foi espancado pelo treinador do Deportivo Ferroviaria

O ataque, cuja imagem repercutiu amplamente nas redes sociais, ocorreu na tarde deste domingo em partida das quartas de final do chamado Campeonato Capixaba na pequena cidade de Nova Venecia e na qual o Deportivo Ferroviaria foi eliminado ao perder por 3 a 1 para o Clube Nova Venecia, que avançou para as semifinais.

Insatisfeito com a decisão do árbitro de apitar no final do primeiro tempo, quando seu time estava prestes a cobrar escanteio, Soriano invadiu o gramado do estádio Zenor Pedrosa junto com vários de seus jogadores para exigir uma explicação do árbitro Arthur Gomes Rabelo.

Após a discussão com o árbitro e quando ele estava prestes a deixar a quadra, o técnico deu uma cabeçada no rosto do juiz, o que lhe rendeu a expulsão imediata. Soriano negou ter cometido o ataque, atribuiu a confusão a um acidente e disse que o juiz queria se aproveitar da situação por causa de sua condição de mulher.

“Se você disser que eu te ataquei, nós iremos para a delegacia. Vamos ver se eu te agredi e se não, eu vou te processar. Ela está dizendo que eu a agredi. Mentira. Ela está dizendo isso porque ela é uma mulher. Ela está tentando se aproveitar de uma situação porque é mulher”, gritou o técnico ao deixar o campo para a TV Educativa do Espírito Santo.

A briga começou quando o árbitro marcou o final do primeiro tempo em pleno ataque do time visitante

O Nova Venecia, time que chegou às semifinais após a vitória, também divulgou um aviso sobre o ocorrido em sua conta oficial do Instagram: “Não há justificativa para a agressão. Especialmente quando se dirige covardemente a uma mulher. Não importa se você nasceu em outra época. Não importa de onde você vem. Fala-se disso o dia todo na TV, na Internet, onde quer que você vá. Por isso, acreditamos que o combate à violência contra as mulheres deve ser tratado com muita severidade”.

"Não só repudiamos a atitude repugnante e covarde, como também esperamos e exigimos punição para o treinador em todas as áreas, para que atos como esse nunca mais aconteçam, não só em um campo de futebol, mas em todos os segmentos do futebol. vive", disse.

A Federação de Futebol do Estado do Espírito Santo informou que abriu uma investigação e que aplicará rigorosamente as devidas sanções. A Federação disse em sua nota que "repudia qualquer ato de violência" e que dará total apoio ao juiz.

Mais notícias sobre futebol Brasileiro:

A verdadeira razão pela qual o Palmeiras perdeu no Brasileirão, segundo Abel Ferreira

Romario Paz

Lic. em comunicação social, graduado pela Universidade Central do EquadorJornalista esportivo com experiência em Rádio Televisão e mídia digital. Boa pessoa para caramba!+ info

Notícias relacionadas

Mais notícias

Mais notícias