Brasileiros pelo Mundo > Neymar

No caminho certo Messi e Neymar brilham apesar de tudo na Copa América

Uma Copa América caótica devido à pandemia, com alguns campos danificados e torcedores ausentes, oferece, no entanto, a melhor versão europeia de Lionel Messi e Neymar.

Neymar e Messi
Neymar e Messi

Lionel Messi, de 34 anos, estava envolvido no gol, enfrentou e driblou rivais na vitória da Argentina por 1 a 0 sobre o Uruguai, o que lhe permitiu fazer um arremesso limpo e empurrado nas quartas de final do torneio continental. Ele já havia marcado um gol de cobrança de falta na estreia contra o Chile.

Semelhante a Messi, do Barcelona, o capitão exerce cada vez mais influência sobre os companheiros. O tempo todo ele está dando instruções, planejando jogos de bola parados e gritando se necessário.

"Foi importante vencer hoje", disse La Pulga, que está a um jogo de igualar o recorde de partidas pela seleção nacional do ex-jogador de futebol Javier Mascherano (147). "Isso nos dará tranquilidade para o que está por vir, que continuará sendo difícil."
Messi quer acertar sua conta pendente: conquistar o título com a Argentina, que está há 28 anos sem uma rodada olímpica.

Será a ultima copa de Messi?

"Estamos aqui para vencê-lo, é o objetivo com que sonhamos, temos os melhores do mundo e um bom treinador que nos dá um plano a cada jogo e vamos vencê-lo", arriscou o goleiro Emiliano Martínez.

A Argentina lidera o Grupo A junto com o Chile com quatro pontos, o Paraguai segue com três, enquanto a Bolívia e o Uruguai estão com zero - Celeste com apenas uma partida disputada.

Se já era favorito por origem e localidade, o último campeão Brasil também exibe um Neymar em plenitude, menos preocupado em simular faltas e em uma posição que lhe permite chegar à definição mais bem armado.

A estrela do Paris Saint-Germain marcou dois gols no torneio e chegou a um total de 68 gritos com Canarinha. Ele está a nove minutos de igualar o recorde de Pelé (77), o artilheiro da história do Brasil, de acordo com estatísticas da FIFA.

“É algo muito emocionante para mim, porque passei por muita coisa nesses últimos dois anos, coisas complicadas. Esses números não são nada, se comparados à felicidade que sinto quando jogo pelo Brasil ", disse o craque após a vitória por 4 a 0 sobre o Peru.

Ao contrário de Messi, as lesões têm sido o carma de Neymar, que ficou de fora da última edição da Copa América conquistada por seu país. “Hoje ele deu mais um passo em direção ao meu recorde de gols com a seleção. E estou entre aqueles que o incentivam a chegar lá, com a mesma alegria que sinto desde que o vi jogar pela primeira vez ”, escreveu Pelé nesta quinta-feira.

Com este nível de Messi e Neymar, e se as suas equipas souberem acompanhar, dificilmente outra equipa se opõe a uma final entre os dois gigantes do continente.

O Brasil, já classificado, tem seis pontos no Grupo B, seguido por Colômbia (4), Venezuela (1), Peru e Equador, com um jogo a menos, sem pontos. A terceira data da rodada de grupos que começa neste domingo será decisiva para o que resta.

A Colômbia terá que ajustar a eficiência ofensiva que faltou contra o invencível goleiro Wuilker Faríñez da Venezuela para manter os três pontos contra um Peru com uma imagem muito diferente da que foi vice-campeão na última edição.

Por sua vez, o Vinotinto colidirá com o Equador, ambos forçados a uma vitória que os manterá na corrida. Quatro das cinco equipes que compõem cada zona se classificam para as quartas de final.

Notícias relacionadas

Mais notícias

Mais notícias