Série A > Tecnicos

A incrível história do técnico Alberto Valentim que foi demitido na primeira rodada do Brasileirão 2021 e agora Flamengo e Palmeiras são acionados

O futebol brasileiro está impressionado com o que aconteceu com Alberto Valentim no Brasileirão

Alberto Valentim foi demitido na primeira rodada do Brasileirão após escândalo no Cuiabá
Alberto Valentim foi demitido na primeira rodada do Brasileirão após escândalo no Cuiabá

O Campeonato Brasileiro 2021 começou nesse sábado (29) com três partidas realizadas, a primeira delas o empate em 2 a 2 entre Cuiabá e Juventude, duas equipes que subiram para a primeira divisão, e o Cuiabá faz sua estreia na elite do futebol brasileiro apenas 20 anos após sua fundação na capital do Mato Grosso. A estreia foi histórica pela marca atingida e pela demissão mais rápida possível.

Logo após o duelo na Arena Pantanal, em Cuiabá, o técnico Alberto Valentim foi demitido do cargo em seu décimo jogo no comando do clube, uma demissão que pegou a todos de surpresa e que foi encabeçada pelos irmãos Alessandro Dresch, presidente do clube, e Cristiano Dresch, vice-presidente. Sem derrotas em dez partidas e com o título mato-grossense garantido, a demissão pode ser resultado de um escândalo nos bastidores.

Rogério Ceni e Abel Ferreira estariam ameaçados por Alberto Valentim? Foto: Gazeta Esportiva

Nas redes sociais circularam informações de que Alberto Valentim teria sido demitido por desentendimentos com o presidente do clube, mas o fato alimentou diversas teorias como discussão e até relação extraconjugal. Logo após a demissão, alguns torcedores do Palmeiras e até do Flamengo pediram a chegada do comandante, alguns em tom de deboche, mas outros lembraram o trabalho que o treinador de 46 anos fez no Verdão entre 2014 e 2017.

Cuiabá pode ter cometido o maior erro de sua história

Com a demissão de Alberto Valentim logo na primeira rodada, o Cuiabá pode contratar apenas mais um técnico durante todo o Campeonato Brasileiro até dezembro de 2021, após a nova regra da Confederação Brasileira de Futebol que limitou a troca de comando apenas duas vezes.

Notícias relacionadas

Mais notícias

Mais notícias