Futebol Internacional > Copas Internacionais

A maldição dos xamãs africanos que pesa sobre Pep Guardiola em Champions

O fim tempestuoso da relação entre Touré e Guardiola, que coincidiu em Barcelona e City, deu origem a uma espécie de condenação do treinador catalão na Europa.

O treinador espanhol não conseguiu levantar o troféu.
O treinador espanhol não conseguiu levantar o troféu.

Ele estava prestes a disputar sua terceira Liga dos Campeões, que seria a primeira com o Manchester City. E embora o Chelsea de Thomas Tuchel o tenha superado do começo ao fim, não são apenas os esportes que entram nas explicações de porque Josep Guardiola resistiu novamente a "Orejona". Há também uma explicação que aponta para uma maldição que o representante de Yaya Touré lançou sobre ele, com quem não tinha um relacionamento muito bom.

Nem no Barcelona nem no City, os marfinenses deram-se bem com ‘Pep’ e acabaram por se separar. Dimitry Seluk, o agente do futebolista, puxou o ‘yuyu’ e prometeu uma maldição de um continente inteiro.

“Guardiola conseguiu fazer com que toda a África se voltasse contra ele, tenho certeza que muitos xamãs africanos farão todo o possível para que Guardiola não ganhe a Liga dos Campeões. Esta será uma maldição africana para Guardiola. O bumerangue vai voltar, Pep. Você verá o que os xamãs africanos podem fazer ”, disse Seluk em 2018.

A maldição africana sobre Guardiola pelo agente de Touré. (Foto: Desporter Twitter)

E essas palavras voltaram à cena e ecoaram na imprensa britânica, depois que "Pep" o Manchester City perdeu no Porto para o Chelsea na final da Liga dos Campeões, por 1-0. Até o próprio Seluk, em 2018, tuitou uma imagem alusiva à maldição aproveitando a derrota do City para o Lyon na Liga dos Campeões.

Quer seja por isso ou não, a verdade é que Guardiola não consegue levantar um ‘Orejona’ há dez anos, quando deixou Barcelona.

Nem mesmo os mais de 1.000 milhões gastos pelo Bayern e City deram uma oportunidade a um treinador altamente conceituado e sem dúvida revolucionário, mas que na prática não conseguiu ganhar um grande troféu na Europa sem Xavi, Iniesta, Messi e companhia.

Notícias relacionadas

Mais notícias

Mais notícias