Qatar 2022

Fim da linha, Neymar está de saída do PSG e o seu novo clube pode ser surpreendente

Por Jorge Dias

Fim da linha, Neymar está de saída do PSG e o seu novo clube pode ser surpreendente

Craque brasileiro pode deixar o PSG no fim desta temporada

Síguenos enSíguenos en Google News

A saída de Neymar do PSG é vista pela imprensa como inevitável pela imprensa francesa. De acordo com o jornal ‘Le parisien’, o brasileiro está na lista de negociáveis do clube, e pode até mesmo ser emprestado. Pelo outro lado, Neymar também não fará esforço para permanecer no PSG, o craque entende que um saída pode ser benéfica para ambos os lados.

O estopim para Neymar foi ter a sua casa por torcedores que exigiam a sua saída. Após o protesto, o brasileiro não se pronunciou oficialmente, mas publicou algumas indiretas em suas redes sociais que deixam claro a sua insatisfação. O atacante curtiu um post da página ‘Fui Clear’ que fazia críticas pesadas aos PSG. 

Mais notícias do Futebol Brasileiro: 

Renato Gaúcho dá tapa na cara da imprensa em coletiva pelo Grêmio, ficaram sem palavras

O Grêmio não jogou nada, mas estrela foi quem deu esperança na Copa do Brasil, loucura

Alguns clubes monitoram a situação de Neymar, entre eles, o Chelsea e o Newcastle. Porém, o favorito neste momento para contratar o brasileiro é o também inglês, Manchester United. De acordo com a imprensa inglesa, o United estaria interessado na contratação do craque, mas isso dependeria de um fator extra-campo. 

Neymar seria uma alvo do Manchester United, caso Jassim Bin Hamad Al Thani, presidente do QIB (sigla do nome do Banco do Catar), concluísse a compra do clube. O bilionário sonha coma chegada de Ney, mas ainda não acertou os detalhes para se tornar dono dos Red Devils. 

Bilionário fez proposta de R$ 30,5 bilhões

A agência de notícias “AFP" divulgou que Jassim Bin Hamad Al Thani está cada vez mais próximo de comprar o Manchester United. De acordo com as informações, a última proposta do bilionário foram de impressionantes 5,7 bilhões de euros (R$ 30,5 bilhões), o que seria um recorde para negociações neste ramo. 


Mais notícias