Jogadores

Os anos que Erick Pulgar pode passar na cadeia e acabar com sua carreira

Chileno sequer respondeu perguntas sobre seus processos no país

Polícia RJ
Polícia RJ

O volante chileno Erick Pulgar de 28 anos foi apresentado na tarde desta quinta-feira na sede do Flamengo, no ninho do Urubu. O jogador é um dos principais reforços contratados nessa nova leva do rubro-negro para se reforçar e disputar os principais títulos da temporada. Discreto fora do campo, Erick Pulgar coleciona algumas polêmicas que envolvem a justiça chilena.

"Só um jogador que fala muito pouco fora de campo. Só agradecer à diretoria por todo o esforço que fizeram. Quando me falaram que poderia vir, sempre estive à disposição. Estou muito feliz, disse o jogador que usará a camisa 5 no Brasileirão e a 2 na Libertadores. O chileno é amigo de Arturo Vidal e viu bons olhos o seu destino está entrelaçado ao Flamengo.

Mais notícias do futebol brasileiro

Da Copa do Mundo para o Mengão: jogador da seleção brasileira é aguardado ansiosamente

Provável reforço rubro-negro desfalca seu clube e gera curiosidade no Flamengo

Segundo informações apuradas pelo Ministério público do Chile e algumas outras autoridades do país procuradas para esclarecer os 2 casos no qual o jogador está envolvido, a instituição respondeu apenas sobre o atropelamento de 2013 e afirmou, que o atleta não é investigado pelo crime de estupro apenas é considerado como testemunha no processo criminal.

Pulgar foi julgado e condenado em 2014 pelo atropelamento de Daniel ampuero 65 anos que morreu no local e não foi socorrido pelo atleta. Na época o jogador do Flamengo tinha 19 anos, a pena acabou sendo mais branda pois a justiça considerou que a vítima atravessou a rua em local proibido. A família do aposentado que morreu ainda processa o jogador com uma ação civil.

Marcos Braz interrompe entrevista para defender pulgar

O vice presidente do Flamengo, Marcos Braz, interrompeu a coletiva no momento em que Eric responderia sobre as acusações que respondem no Chile para afirmar, “eu tenho filha tenho mulher e tenho mãe. Se tem uma pessoa ou se tem gente que tinha interesse de averiguar bem averiguado essa situação, eramos todos nós aqui. Mas eu também tenho filho eu acho que ter um filho com uma acusação que não procede também é muito ruim”.

Jorge Dias

Jornalista formado pela Universidade P. Mackenzie em 2013, mas atuo desde 2008 com textos esportivos. Já trabalhei no Diário Lance! como diagramador e jornalista, de 2010 a 2016. Escrevi para Surto Olímpico, Bola Parada, Torcedores.com e Punteiro Izquierdo.+ info

Notícias relacionadas

Mais notícias

Mais notícias