Série A > Palmeiras

Tristeza no Palmeiras: más notícias da semifinal contra o River pela Copa Libertadores

Palmeiras se prepara para enfrentar o River Plate por uma vaga na final da Copa Libertadores

Tristeza no Palmeiras: más notícias da semifinal contra o River pela Copa Libertadores
Tristeza no Palmeiras: más notícias da semifinal contra o River pela Copa Libertadores

Empezar de novo. Logicamente, essa frase poderia caber mais em uma equipe pós-derrota, mas esse não é o caso do River ou a intenção de tal declaração. Cada vitória da equipe de Marcelo Gallardo exalta a capacidade de admiração dos torcedores e qualquer sorriso é rapidamente esquecido. Acima de tudo, se pela frente você não terá nada mais e nada menos do que Boca e Palmeiras.
Duas semanas que podem ser as melhores ou fatídicas na vida do Milionário. Em apenas dez dias, o clube de Núñez enfrentará os três testes mais difíceis do ano, que incluirão uma dupla semifinal contra a perigosa seleção brasileira e um Superclásico para o torneio local. Uma trilogia de testes que vão definir muitas coisas na instituição riverplatense

Mas justamente nesse sentido, seu rival pela Copa Libertadores também está muito preocupado com uma situação particular que ocorreu nos últimos dias e na vitória de ontem por mínimo contra o Bragantino. E sobre isso o técnico do Palmeiras, Abel Ferreira se manifestou. Qual a principal preocupação da palestra DT frente ao cruzamento da taça com o Rio?

«A lesão é preocupante e é o que mais me preocupa. Temos Wesley lá fora, ninguém fala. Ron está do lado de fora e ninguém fala. Eu queria ter o modelo disponível para cumprir esses compromissos. E agora (Gabriel) Veron se juntou. Não é falta de habilidade, porque muitas vezes jogamos sem nos recuperar. Milagres não existem ”, disparou o treinador do Verdao.

Ferreira lamentou a situação em que chegará ao duelo com o River e também reconheceu que o Palmeiras custou a partida contra o Bragantino muito mais do que pensava. “Não foi o melhor jogo em termos de criatividade, fluidez e construção. Mas muitas vezes esquecemos de colocar o adversário na equação. Ele nos estudou e sabia que a habilidade física faria a diferença. Apelamos ao espírito de sacrifício, esforço e humildade ”, finalizou.

Notícias relacionadas

Mais notícias

Mais notícias