Série A > Corinthians

Mauro Boselli foi demitido do Corinthians, mas agora se tornaria o melhor atacante da América do Sul

Jogador foi recusado por Vagner Mancini e está há dois meses sem jogar

Boselli faz melhor escolha após recusa do Timão.
Boselli faz melhor escolha após recusa do Timão.

Acabou na última quinta-feira (24) a passagem de Mauro Boselli pelo Corinthians. Em 67 jogos foram 16 gols e um título conquistado, o Campeonato Paulista de 2019, mas a esperança de gols no craque argentino era maior, mesmo sendo artilheiro do clube em 2020 e top-3 do Timão em 2019, porém a conturbada temporada atual não conseguiu dar sequência ao seu futebol. O jeito que o clube encontrou foi o de não renovar com o experiente centroavante de 35 anos, que até pediu para sair antes para já pensar na carreira e o pedido foi aceito pelo Corinthians. Mas se no Brasileirão ele não joga mais, a Copa Libertadores da América 2020 ainda pode contar com seu brilho.

Isso porque o nome de Boselli é veiculado como novo reforço do Boca Juniors, da Argentina, e já estaria disponível após se recuperar de lesão e entrar nos gramados contra o Santos na semifinal da Libertadores no dia 6 e 13 de janeiro. A possibilidade de trocar até três atletas até o dia 3 de janeiro faz os Xeneizes correrem atrás do campeão continental de 2009 pelo Estudiantes para ser a referência do ataque da equipe de Miguel Ángel Russo na reta final da principal competição sul-americana de clubes. Assim, de negado no Timão que não vive boa temporada, Boselli por virar a solução para ser o melhor da América do Sul e rumar até a grande final no dia 30 de janeiro no Estádio do Maracanã.

E o custo de Mauro Boselli seria apenas com o seu salário, que gira em torno de R$ 400 mil mensais atualmente e também do interesse do Boca Juniors em contar com o atacante para a próxima temporada, o que seria vantajoso para que Boselli volte ao seu país natal em grande estilo e com possibilidade de voltar a ser competitivo após uma temporada irregular no Timão e de não ser mais relacionado por Vagner Mancini que foi maior empecilho para a permanência do centroavante para sua sequência, e o jogador gostaria de ficar mais tempo no clube, mas quis o destino que seu fim fosse na véspera de Natal, com um presente de jogar a Libertadores.

Notícias relacionadas

Mais notícias

Mais notícias