Série A

Ficou em silêncio até agora, hoje Diniz revela a verdade sobre saída da CBF

Por Jorge Dias

Ficou em silêncio até agora, hoje Diniz revela a verdade sobre saída da CBF

Fernando Diniz abre o jogo sobre sua saída da Seleção Brasileira

Síguenos enSíguenos en Google News

Pela quinta rodada do Campeonato Carioca, o Fluminense entrou em campo na noite da última quinta-feira (01) contra o Bangu. O elenco principal retornou aos trabalhos e encantou o torcedor de cara. Dessa forma, o Fluminense aplicou uma goleada de 4x1 em cima do Bangu, com gols de Keno, Jhon Arias duas vezes e Germán Cano. Atualmente, o Fluminense é o líder da fase de grupos com 13 pontos, sendo quatro vitórias e um empate até aqui. Após o duelo, o treinador Fernando Diniz mostrou-se satisfeito com o desempenho do Flu.

Ainda em 2023, ano que fez história pelo Fluminense ganhando Campeonato Carioca e Copa Libertadores da América, Fernando Diniz sofreu um dos maiores baques da sua carreira. Ele acabou sendo pego de surpresa e foi demitido da Seleção Brasileira pelo presidente Ednaldo Rodrigues, em um ato que muitos consideraram como traição.

No comando da Seleção Brasileira, Fernando Diniz começou com tudo nas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa aplicando uma goleada de 5x1 na Bolívia. Em seguida, o Brasil venceu o Peru por 0x1. Porém, a sequência depois desses dois primeiros jogos começou a ser ruim e Diniz não venceu mais nenhuma partida. Foram um empate, contra a Venezuela por 1x1 e três derrotas seguidas: Uruguai 2x0 Brasil, Colômbia 2x1 Brasil e Brasil 0x1 Argentina. Para o lugar de Diniz, chegou Dorival Júnior.

Neste sentido, pela primeira vez, Fernando Diniz falou sobre saída: “Queria que tivesse sido diferente. Mas, são águas passadas. Temos que tocar a vida em frente. Tenho muita clareza daquilo que fiz para a seleção brasileira e o meu contato com os jogadores e a Seleção está em boas mãos agora.”

Fernando Diniz dá mais detalhes sobre sua saída da Seleção Brasileira

Ainda assim, Diniz continuou fazendo um discurso forte: “Eu tinha muita convicção de que aquilo, com mais tempo, iria dar resultados muito importantes. Tinha um feeling muito claro disso. Para quem estava internamente, também tinha nitidez do que estava sendo feito. Seis jogos é uma amostragem extremamente pequena. Infelizmente, falamos muito dos resultados de curto prazo e canso de falar que é um dos males do futebol brasileiro. O trabalho precisa de um pouco mais de tempo.”

“Não por ser eu, mas qualquer pessoa precisa de um pouco mais de tempo. Não dá para você ter uma amostragem muito pequena e ficar fazendo qualquer tipo de avaliação. O jogo com a Argentina, por exemplo, foi um jogo grande que o Brasil fez e que não teve resultado. Aquilo, na sequência do trabalho, iria melhorar, muito provavelmente, a performance e os resultados chegariam. Mas, saio com um sentimento de ter feito o melhor, ter criado relações especiais com os jogadores e o estafe que estavam comigo”, completou Fernando Diniz.


Mais notícias