Qatar 2022

Plano B; Ancelotti recusa e CBF já tem um nome para assumir a Seleção Brasileira

Por Jorge Dias

Plano B; Ancelotti recusa e CBF já tem um nome para assumir a Seleção Brasileira

Treinador comentou que irá continuar no Real Madrid na próxima temporada

Síguenos enSíguenos en Google News

Carlo Ancelloti falou novamente que irá permanecer no Real Madrid na próxima temporada. “Me encontrei com Florentino Pérez ontem e ele segue me apoiando e confiando em mim. Nós continuaremos juntos. O clube me garantiu que continuarei. O mundo inteiro sabe que tenho contrato aqui e eu quero continuar”, disse o treinador durante entrevista coletiva

Dessa forma, Ancelotti recusa a Seleção Brasileira. A CBF já havia deixado claro que o treinador italiano era o plano A e que iria aguardar uma decisão. Com a negativa, o Brasil precisará buscar um novo nome para comandar a única seleção pentacampeã. 

Mais notícias do Futebol Brasileiro: 

Inacreditável, a única condição que De La Cruz deu para assinar com o Flamengo

Assim que Neymar ficaria com Inteligência Artificial se não fosse jogador de futebol

Em entrevista, Ednaldo Rodrigues, presidente da CBF, já havia dito que a partir de uma sinalização de Ancelotti iria partir para o plano B. “A partir do momento que recebermos a sinalização de que é uma vontade dele também, partiremos para conversar preparados para o que pode ser um sim ou um não. A partir dali que vamos ter um plano B”, disse no último mês.

Segundo as informações da imprensa brasileira, a CBF monitora alguns nomes para comandar a Seleção Brasileira, sendo eles: Luis Henrique, ex-treinador da Espanha, Abel Ferreira, do Palmeiras, Jorge Jesus, e Fernando Diniz do Fluminense.

O perfil que a CBF busca para a Seleção Brasileira

Ednaldo Rodrigues comentou sobre o perfil que a CBF busca para comandar a Seleção Brasileira. "Não temos preconceito pela nacionalidade. Queremos que seja um treinador que inspire a Seleção e que busque um padrão de jogo respeitando as características dos nossos atletas. São treinadores que nós queremos que tenha esse perfil. Não cabe na Seleção Brasileira treinador que jogue por uma bola", declarou.

 


Mais notícias