Jogadores > Gabriel Barbosa

Gabigol vai pagar mais de $ 20.000 para participar de uma festa

O atacante brasileiro foi preso em março passado em uma ‘festa COVID’ com 200 pessoas. O jogador tentou se esconder embaixo de uma mesa no local para evitar ser detido pela Polícia

Gabigol foi preso em 14 de março em uma festa clandestina com 200 pessoas. Foto: Notícias da TV - Uol
Gabigol foi preso em 14 de março em uma festa clandestina com 200 pessoas. Foto: Notícias da TV - Uol

O atacante brasileiro do FlamengoGabriel BarbosaGabigol’, concordou na segunda-feira em pagar uma multa de 110.000 reais (cerca de US $ 20.200) por não cumprir as medidas sanitárias contra o coronavírus ao ir a um cassino clandestino em 14 de março em São Paulo.

Em audiência telemática, a Justiça de São Paulo acatou o acordo firmado entre ‘Gabigol’ e o Ministério Público por meio do qual o jogador de futebol prometeu pagar a multa em troca de não ser processado por crime contra a saúde pública. O ex-jogador do Santos e do Inter de Milão deve depositar a multa de  $ 20,2 mil no prazo de 60 dias, que irá para o Fundo Municipal da Criança e do Adolescente, conforme decisão publicada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

O valor equivale a 100 salários mínimos, que no Brasil é de 1.100 reais (cerca de 202 dólares pelo câmbio de hoje). O acordo com o Ministério Público engaveta o processo contra "Gabigol", aberto por descumprimento das medidas sanitárias em vigor, que em São Paulo é punido com penas de um mês a um ano de reclusão mais multa, em caso de condenação.

O atacante foi preso na madrugada de 14 de março em uma noite com 150 outras pessoas em um cassino clandestino em São Paulo, apesar do toque de recolher e da proibição de realização de festas na cidade para evitar a disseminação do covid-19. Nessa operação, o popular cantor de funk MC Gui também foi levado à delegacia.

Em entrevista que concedeu ao programa Fantástico, ‘Gabigol’ explicou que compareceu ao local convidado por amigos para jantar, mas que não sabia que havia tanta gente no estabelecimento. “Admito que faltou sensibilidade, mas foi o meu último dia de férias e fiquei feliz por estar com os meus amigos. Faltou sensibilidade, mas estava usando máscara e álcool gel ”, declarou.

Com quase 14,4 milhões de casos e mais de 391 mil mortes, o Brasil é o segundo país do mundo com mais mortes associadas ao COVID-19, depois dos Estados Unidos, e o terceiro com mais positivos, depois dos Estados Unidos e da Índia.

Notícias relacionadas

Mais notícias

Mais notícias