Qatar 2022

De milionário à falência? Todo o dinheiro que Dani Alves perdeu desde que está preso

Por Romario Paz

De milionário à falência? Todo o dinheiro que Dani Alves perdeu desde que está preso

O jogador de futebol brasileiro não tem mais vínculo com o Pumas, que exige indenização, e também com algumas marcas que promovia nas redes

Síguenos enSíguenos en Google News

Dani Alves segue preso provisoriamente enquanto espera que seu advogado cumpra seu objetivo e dê provimento ao recurso interposto no início desta semana para tirá-lo da cadeia. Cristóbal Martell apresentou um documento de mais de vinte páginas em que apontava que não havia risco de fuga, que oferecia o passaporte do brasileiro como garantia e abria a possibilidade de uma pulseira telemática. E é que a permanência de Alves na prisão pela acusação de uma alegada agressão a 30 de dezembro em Barcelona está a ter graves consequências a nível pessoal, com o afastamento aberto com Joana Sanz, e também a nível económico.

Em primeiro lugar, porque Pumas rescindiu seu contrato logo após sua prisão vir à tona. Alves teria declarado que o salário que recebia no clube mexicano era de 30.000 euros por mês, mas o juiz, com o contrato em mãos, rapidamente indicou que esse valor estava totalmente longe do que ele realmente ganhava: 300.000 euros. O valor que vazou após a sua contratação foi de quase 2 milhões de euros por ano, longe dos 3,6 milhões de euros que teria acordado.

Mais notícias do Futebol Brasileiro:

Loucura, Sampaoli falou verdades sobre o time do Flamengo após vitória no Brasileirão

Ele foi ídolo no Flamengo e Brasil, agora pendurou as chuteiras e é prefeito no Equador

Como se não bastasse, o clube com o qual apenas disputou 13 jogos oficiais exige uma indemnização milionária de 4,5 milhões de euros por violação dos termos comportamentais do seu contrato e o assunto pode ir parar à FIFA. Segundo a sua declaração, "o jogador está irremediavelmente obrigado a reembolsar o clube pelo pagamento da indemnização prevista na cláusula décima quarta do contrato (4,5 milhões de euros líquidos)" por "infrações muito graves" que violem duas das cláusulas assinadas .

Contratos de publicidade de Alves, quebrados

A prisão de Alves pelo suposto estupro de uma jovem de 23 anos levou o jogador a perder seus contratos de publicidade. Os advogados do brasileiro revelaram que várias empresas "rescindiram contratos de patrocínio" com o futebolista e o número vai aumentar "nos próximos dias e semanas". É assim que se despede de valores entre 30.000 e 50.000 euros por direitos de imagem e publicidade que ingressou por meio de uma de suas empresas com domicílio fiscal em Barcelona.

Segundo o El Mundo, no dia 24 de janeiro, a empresa brasileira Hygia Saúde, empresa de serviços financeiros e seguros, rescindiu unilateralmente o contrato com Alves. Na véspera, já tinha feito o mesmo a 1xPartners, empresa de apostas desportivas da qual o jogador era embaixador da marca e que aceitou suspender a ligação enquanto se aguarda julgamento. No dia 25 de janeiro, foi a Ethika, empresa de confecções, que suspendeu seus contratos, deixando claro que não cumpriria o pagamento acordado neste ano ou nos seguintes.

Da mesma forma, a equipe jurídica de Alves assegurou que dentro dos números de direitos de imagem mencionados anteriormente estão as receitas que recebe de seu compromisso com a Adidas, acordo que terminou em 18 de janeiro e que a empresa não renovou. Todos estes golpes têm feito “desaparecer” o “músculo económico” de Alves, ou pelo menos foi o que garantiram os advogados do jogador perante o juiz para tentar acabar com esta prisão provisória que tanto está a custar ao futebolista.

Tópicos


Mais notícias